ESPECIALIZADO EM CAMBIO AUTOMATIZADO
TROCA RÁPIDA DE EMBREAGEM!
O QUE OFERECEMOS PARA VOCÊ!

Troca de óleo

Embreagens

Serviço de freios

Câmbio semiautomático

O câmbio semiautomático, câmbio automatizado ou câmbio robotizado é um sistema que usa computadores e sensores para executar trocas de marchas, esse sistema foi projetado por montadoras de automóveis a fim de dar uma melhor experiência de dirigibilidade para os condutores, principalmente em cidades onde se há uma grande troca de marchas pelo motorista.

Somos especializados nos seguintes câmbios abaixo:

Câmbio Imotion

Câmbio Dualogic

Câmbio EasyTronic

Câmbio Easy-R

Depoimentos

Depoimentos

Serviço otimo e preço justo, não tenho nada a reclamar. Troquei a embreagem e ela ficou como nova e foi baratissimo. Recomendo para quem procura embreagem com qualidade e garantia.
Rafael B.
Ótimo atendimento e preço justo!
Claudio H
Troca rápida e segura, pessoal trabalha honestamente, não é como outras oficinas! Recomendo 100% Rodrigo e Felipe esses dois são parcerias com os clientes ! Obrigado !
Ladston V
VENHA CONHECER NOSSAS LOJAS
Av. Cristiano Machado, 479 – Concórdia, Belo Horizonte – MG, 31110-656
(31) 3421-9200

Av. Tito Fulgêncio, 215 – Jardim Industrial, Contagem – MG, 32215
(31) 3421-9200

DUVIDAS E DICAS

EMBREAGEM: PROBLEMAS E SOLUÇÕES
Embreagem é o mecanismo utilizado para transmitir a rotação do motor para o câmbio que, por sua vez, irá transferi-la para o diferencial a fim de movimentar o veículo através da dosagem de fricção de um componente em movimento para outro componente sem movimento. A transmissão de rotação dá-se através do pressionamento gradativo da placa de pressão do platô de embreagem no disco de embreagem, prendendo-o contra o volante do motor. Quando o disco está fixado contra o volante, a força de aperto deverá ser suficientemente grande para não permitir deslizamentos entre as duas superfície. Pressionando o pedal da embreagem, a molas ou molas membranas aliviam a pressão da placa de pressão do platô, suprimindo o contato do disco com o volante e, consequentemente, interrompendo a transmissão de força para o câmbio. É neste momento que ocorre uma gradual sincronia entre a rotação do motor e do eixo primário do câmbio. Quando a embreagem está acionada, câmbio e motor estão desconectados. Quando a embreagem está não está acionada, câmbio e motor estão conectados. O sistema de embreagem permite que a conexão entre motor e câmbio seja feita de forma progressiva e confortável.

• Utilize o pedal da embreagem somente no momento da troca de marcha.
• Nunca descanse o pé sobre o pedal, isso provoca um aquecimento excessivo do sistema e desgaste prematuro.
• Nunca segure o veículo numa rampa utilizando a embreagem. Este hábito causa um desgaste excessivo do sistema. Utilize sempre o freio do veículo.
• Evite ultrapassar a capacidade de carga do veículo, porque irá sobrecarregar a embreagem, diminuindo sua vida útil.
• Evite sair ou reduzir bruscamente utilizando a embreagem para aumentar o torque ou ainda aumentar a rotação do motor utilizando-a.
• Não inicie bruscamente a marcha, evitando arrancadas bruscas.
• Evite reduções bruscas de marchas, freando ou desacelerando subitamente o motor.
• Verifique e regule o cabo da embreagem com frequência, deixando o pedal sempre no meio termo, nem baixo, nem alto.
• Nunca saia com o veículo em segunda marcha.

A embreagem remanufaturada é um processo completamente distinto de retíficas ou recondicionamentos tradicionais, contrariando o que muitos podem pensar. No processo de recondicionamento a peça volta a ser usada depois de uma reforma superficial, o que não elimina alguns desgastes naturais. Na linha de montagem da embreagem remanufaturada, no entanto, os componentes são completamente desmontados e na grande maioria dos casos apenas o corpo principal da peça é mantido. A remanufaturada difere-se também pelo uso de componentes com especificações iguais às das novas, tornando-as plenamente reutilizáveis, com absoluta segurança e qualidade. Compreende-se porque já é prática corrente nos Estados Unidos e Europa, a utilização de peças remanufaturadas, sendo inclusive endossada e apoiada por grandes montadoras.

• Tecnicamente, não há nenhum problema no uso de peça remanufaturada;
• Os custos são sensivelmente reduzidos;
• É um processo que resulta em menos lixo, economia de recursos e menor impacto ambiental, pois praticamente não há sobras e resíduos.

Embreagem fazendo barulho ou dando estalos é sinal que o kit de embreagem está desgastado e no fim de sua vida útil. Quando a embreagem está com chiado é o rolamento que está com problema. Fica fácil de perceber! O chiado vai mudando conforme pisamos no pedal. Quando o rolamento encosta no platô para acioná-lo há uma mudança de chiado. As vezes aumenta, mas às vezes diminui. Este é um grande sinal que já está na hora de trocar o kit de embreagem. Ressalva: Quando o veículo está em funcionamento, o kit de embreagem costuma emitir um pequeno ruído que é normal. Em alguns veículo é mais fácil de perceber, principalmente quando se está num local fechado, como a garagem. Quando acionamos o pedal, o ruído diminui. Mas esse ruído é normal! Na maioria das vezes passa despercebido, mas se prestarmos bastante atenção, todos os veículos apresentam esse ruído. Nada mais é do que o ruído emitido pelo próprio trabalho do conjunto de embreagem que gira em altas rotações.
Embreagem alta quer dizer que o pedal da embreagem está num ponto de acionamento desconfortável para o motorista, fazendo-o tirar muito o pé do pedal para que o carro saia. Isso ocorre porque: O kit de embreagem está desgastado e dever ser trocado; A regulagem do cabo da embreagem está incorreta, fazendo o pedal ficar muito alto; Para que o kit de embreagem tenha a durabilidade correta, o pedal da embreagem deve estar sempre no meio termo, nem muito baixo, nem muito alto.

A embreagem fica dura por vários motivos:

• O mecanismo de acionamento pode estar com problemas.
• O guia do rolamento, moringa ou tubo guia pode estar com desgaste ou ovalado, fazendo o rolamento não deslizar como deveria na hora do acionamento do garfo.
• Também pode ser que o garfo esteja com desgaste em seu ponto de apoio ou buchas.
• O cabo da embreagem pode estar pronto para romper ou com falta de lubrificação.
• Nos casos de acionamento hidráulico pode ser problema no atuador ou cilindro mestre. O atuador hidráulico sofre desgaste interno, assim como o cilindro mestre.
• Ás vezes, com aquecimento excessivo por causa de uma exigência muito grande da embreagem, mesmo que a peça esteja com pouca vida útil, ocorre o empenamento e desalinhamento da carcaça do platô de embreagem, fazendo com que a mola membrana do platô não consiga desenvolver seu curso normalmente.
• Mas o principal motivo que faz a embreagem ficar dura é o desgaste do kit de embreagem.
• Quando o kit de embreagem está desgastado ocorre uma mudança no ponto de trabalho da mola membrana do platô e também desgaste no ponto de apoio da placa de pressão do platô na mola membrana.

Verificação, lubrificação e limpeza do sistema de acionamento; Substituição dos componentes em mau estado do sistema de acionamento; Substituição do kit de embreagem.

• Porque o disco de embreagem não está conseguindo ficar separado do platô de embreagem;
• A espessura do disco de embreagem não está correta;
• O cubo do disco não consegue deslizar no eixo piloto;
• O rolamento do eixo piloto não gira livremente;
• O sistema de acionamento da embreagem está com regulagem incorreta;
• A mola de retrocesso do platô pode ter sido deformada na montagem ou reduzida de marcha brusca, impossibilitando o platô de liberar o disco de embreagem;
• O principal motivo que faz a embreagem não engatar é o desgaste do kit de embreagem.

Regulagem do acionamento e substituição do rolamento do eixo piloto;
Substituição do kit de embreagem.

A embreagem patina por vários motivos:

• Porque o disco da embreagem está com desgaste ou contaminado por óleo e graxa. Sendo assim, o disco não consegue ser freado pelo platô;
• Porque o platô está com a mola membrana sem pressão suficiente para frear o disco;
• Porque o volante do motor está com a superfície irregular e não consegue deixar o disco de embreagem ser freado pelo platô, mesmo não estando desgastado;
• O volante do motor também pode estar com medidas incorretas;
• A relação de distância do acionamento pode estar incorreta. Usa-se muito o termo “embreagem enforcada”, ou seja, o acionamento da embreagem está regulado de forma que a embreagem fique acionada, mesmo sem a ação de acioná-la;
• Se a embreagem sofreu superaquecimento por uso excessivo, o disco perde sua capacidade de ser freado pelo platô;
• Se ocorrer erro de aplicação do kit de embreagem, também pode acontecer de a embreagem patinar, pois a carga de pressão do kit não será correspondente à potência do veículo;
• Em casos de acionamento hidráulico, pode haver a possibilidade de travamento do atuador hidráulico ou cilindro mestre. Mesmo tirando pé do pedal da embreagem continua acionada;
• A principal causa de patinação da embreagem é o desgaste do kit de embreagem.

• Verificar se há contaminação por óleo ou graxa no disco e substituir o kit de embreagem;
• Verificar as medidas do volante do motor e usiná-lo corretamente ou substituí-lo;
• Regular o curso de acionamento de forma correta;
• Substituir do kit de embreagem.
• SOBRE EMBREAGEM – POR QUE TREPIDA?
• São muitos os fatores que levam à trepidação da embreagem:
• O coxim do motor e a suspensão câmbio não estão em ordem;
• Embreagem contaminada de óleo ou graxa;
• O mancal de encosto e o platô não estão paralelos;
• Platô de embreagem foi apertado incorretamente, ocasionando o desalinhamento da mola membrana e da placa de pressão do platô;
• O rolamento do eixo piloto não foi montado no volante;
• O virabrequim não está alinhado com o eixo piloto;
• A carcaça do platô de embreagem foi deformada por ocasião da desmontagem ou da montagem e também por superaquecimento;
• Volante da embreagem está com superfície irregular;
• O principal motivo que faz a embreagem trepidar é a falta de paralelismo entre volante do motor, disco de embreagem, placa do platô e membrana do platô;
• Mas podemos destacar que o balanceamento do conjunto de embreagem também ocasiona trepidação, assim como o paralelismo entre todos os componentes e também o alinhamento do virabrequim com o câmbio.

• Usinagem correta do volante do motor;
• Verificação do alinhamento do conjunto, do paralelismo e do balanceamento;
• Troca do coxim do motor e da suspensão do câmbio.